Cristos da terra, nascidos
Na Manjedoura do NÃO:
Não têm terra nem saúde,
Justiça nem instrução.
Só conhecem 3 reis magos
-que sempre lhes causam estragos-:
Polícia, Imposto e Patrão.

São filhos de Zé Ninguém
E de Maria Qualquer...
Naturais de algum “Belém”
Que não se sabe onde é
E onde, entre espinhos e grotas,
“o Judas perdeu as botas”
jogando mais Lúcifer...

Frutos do chão duro e seco
Como um rio que já foi...
Vidas de pedras agudas...
Terras de “Deus me perdoe”!...
Essa terra, aquela vida
Têm a tristeza doída
De uma caveira de boi...

Irriga as maçãs do rosto
Com o chuvisco da Esperança:
Luta e sofre! Sofre e espera
Na Fome que a dor amansa...
Num prato – pesa a Pobreza;
No outro – o peso é da Tristeza
Que sua vida balança...

Pega um fiapo de Sonho
E tece a própria mortalha.
Toca o carro...mas, encalha
Nas Pedras da Solidão...
Seu canto traz a Amargura
Dos lamentos de um Aboio...
Da cicatriz de um arroio
Na Face da Sequidão!

Planta um Pé de Sacrifício
-nasce uma Flor de Saúva!
Estende a Mão para a Chuva
-e alcança o Olho do Sol...
Só lhe dão, como presente:
Pobreza...falta de escola...
Leva mais chute que bola
Em campo de futebol...

Mora num rancho de palha,
Dorme num jirau de vara.
E – em cima de um pau-de-arara,
Deixa, um dia, o “seu” Sertão...
Seu, uma vírgula, que, dele,
Não possui nem mesmo os Braços
Que são, apenas, pedaços
Das posses de algum Patrão...

O Patrão manda no velho,
Manda na velha, na filha.
E na quadra. E na quadrilha...
Na quadrinha...no quadrão...
Entorce, o Cristo da Enxada,
Cansado do mandonismo,
Muda o nome de batismo
Pra Silvino ou Lampião...

Cristo da terra, pregado
Na cruz de um cabo de Enxada,
Sua alma está calejada
Pelos séculos de Dor...
Traz dois olhos bem abertos
-mas anda cego de tudo:
cego, cabisbaixo e mudo
pelas terras do Senhor!

Belo dia, um desses cristos
Humilhados, oprimidos,
Forma no rol dos Bandidos
Contra a Opressão Social...
E – é Jesuíno Brilhante,
Corisco, Antônio Silvino
Ou o “Capitão Virgulino”
-“justiça” escrita a Punhal!

É – Liberato, Jurema,
Moita Braba, Pitombeira,
Zé Sereno, Mão Foveira
Ou “Quelé do Pajeú”...
É – Labareda – vingando
A honra da irmã sertaneja
Que ficou nos “Ora, veja”
De um “cabo” de instinto cru...

Vai acender as fogueiras
Da rebeldia matuta
-contra a força absoluta
dos senhores “Coronéis”.
É- mais um, que troca a Enxada
Pela “lei” de um pau-de-fogo,
Onde a Morte ganha o jogo
Cheio de lances cruéis! 
        (...)
Trecho de Canto dos Cristos da Terra/ Paulo Nunes Batista

Escrito por Gianote Araujo às 20h43


[]


[ Passado ]
28/10/2007 a 03/11/2007
29/07/2007 a 04/08/2007
06/05/2007 a 12/05/2007
25/02/2007 a 03/03/2007
04/02/2007 a 10/02/2007
21/01/2007 a 27/01/2007
07/01/2007 a 13/01/2007
31/12/2006 a 06/01/2007
24/12/2006 a 30/12/2006
17/12/2006 a 23/12/2006

[ Votação ]
Dê uma nota para meu blog

[ Indicação ]
Indique meu blog a um amigo

[ Visitantes ]

[ Blogs Amigos ]

Biglogger Amigo
Blogspot Amigo
Blogger_Br Amigo
Theblog Amigo
Uol Amigo
Viablog Amigo
Weblogger Amigo
Receptaculum
A taberna
Seridó
Mulher na Janela ( Blog da Iara)
Mysimplewords
Oficina de Poesias ( Blog de Aldenir Dantas)
Blog do Beco da Lama

[ Sites ]

UOL
Top Blog