Três muié ou três irmã,
três cachôrra da mulesta,
eu vi num dia de festa,
no lugar Puxinanã.


A mais véia, a mais ribusta
era mermo uma tentação!
mimosa flô do sertão
que o povo chamava Ogusta.


A segunda, a Guléimina,
tinha uns ói qui ô! mardição!
Matava quarqué critão
os oiá déssa minina.


Os ói dela paricia
duas istrêla tremendo,
se apagando e se acendendo
em noite de ventania.


A tercêra, era Maroca.
Cum um cóipo muito má feito.
Mas porém, tinha nos peito
dois cuscús de mandioca.


Dois cuscús, qui, prú capricho,
quando ela passou pru eu,
minhas venta se acendeu
cum o chêro vindo dos bicho.


Eu inté, me atrapaiava,
sem sabê das três irmã
qui ei vi im Puxinanã,
qual era a qui mi agradava.


Inscuiendo a minha cruz
prá sair desse imbaraço,
desejei, morrê nos braços,
da dona dos dois cuscús!

As flô de Puxinanã/Zé da Luz

Escrito por Gianote Araujo às 13h45


[]


[ Passado ]
28/10/2007 a 03/11/2007
29/07/2007 a 04/08/2007
06/05/2007 a 12/05/2007
25/02/2007 a 03/03/2007
04/02/2007 a 10/02/2007
21/01/2007 a 27/01/2007
07/01/2007 a 13/01/2007
31/12/2006 a 06/01/2007
24/12/2006 a 30/12/2006
17/12/2006 a 23/12/2006

[ Votação ]
Dê uma nota para meu blog

[ Indicação ]
Indique meu blog a um amigo

[ Visitantes ]

[ Blogs Amigos ]

Biglogger Amigo
Blogspot Amigo
Blogger_Br Amigo
Theblog Amigo
Uol Amigo
Viablog Amigo
Weblogger Amigo
Receptaculum
A taberna
Seridó
Mulher na Janela ( Blog da Iara)
Mysimplewords
Oficina de Poesias ( Blog de Aldenir Dantas)
Blog do Beco da Lama

[ Sites ]

UOL
Top Blog